124

Prefeitura Municipal de Ituberá

Pular para o conteúdo

Prêmio Cultura na Palma da Mão seleciona o grupo ituberaense Samba em Roda: Sambadores do Brejo Grande

18/11/2021 às 11h21

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


O grupo cultural Samba em Roda: Sambadores do Brejo Grande, da comunidade ituberaense remanescente de quilombo, venceu o Prêmio Cultura na Palma da Mão, projeto com recursos da Lei Aldir Blanc, redirecionados pela Secretaria da Cultura do Ministério do Turismo. O grupo foi selecionado na categoria Memória e Tradições.

O Samba em Roda: Sambadores do Brejo Grande surgiu a partir da necessidade de tornar viva as memórias ancestrais da comunidade, e realiza um trabalho pedagógico abrangendo estudantes da Educação Infantil até os anos finais do Ensino Fundamental. 

O grupo composto por mestres e mestras do conhecimento oral dos saberes ancestrais e por estudantes quilombolas da comunidade, se dispõem a levantar a autoestima das crianças e de suas famílias, disseminando uma história imbuída por aspectos históricos que marcam lutas, enfrentamento, resistência negra, sustentabilidade, suas memórias, cultura, identidade e pertencimento de um povo, entrelaçadas por suas ladainhas, rezas, ervas, lendas e sambas de rodas que alegravam festejos, lavouras, mutirões para tapagem de casas e roçado.

A proposta tornou-se relevante por constituir-se como um instrumento pedagógico itinerante que propõe interlocuções acerca da Educação Escolar Quilombola bem como a Educação para as Relações Étnico- Raciais e o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e Indígena, amparados pela lei 10.639/03 e 11.645/08. 

O grupo contribui com a promoção da integração do conhecimento curricular comum aos elementos identitários diversificados que permeiam o saber e o fazer das comunidades. Portanto, o Samba de Roda Sambaê Sambador com toda sua alegria, criatividade, doação e vivacidade é merecedor da premiação por se configurar como recurso indispensável para o fomento do fortalecimento identitário, pois cria o sentimento de pertencimento das crianças e jovens como sujeitos históricos e político de seu território e de sua territorialidade.